Como dar uma boa aula de judô para crianças

O judô há muito tempo tem sido o esporte mais indicado por médicos e pedagogos para auxiliar no desenvolvimento infantil. E isso não é por acaso. Quando bem orientado e treinado preenche várias lacunas e ajuda a criança a desenvolver-se em muitas áreas com um só esporte.

Como atividade física, o judô promove melhorias consideráveis na execução de movimentos que requerem maior coordenação motora. Desenvolve-se equilíbrio, condicionamento físico, noção espacial e corporal. Como atividade disciplinar, desenvolve a sociabilidade com outras crianças, o trabalho em equipe, o respeito ao professor e aos amigos e muito mais.

Todos estes estímulos contribuem muito para que a criança cresça saudável, mais concentrada e mais disciplinada tanto dentro quanto fora do dojô.

É claro que, não basta simplesmente ter um tatame e dizer que é judô que o resto acontece como mágica. Lidar com crianças não é fácil e exige certas qualidades do professor. Crianças se entediam rápido, e frequentemente perdem o foco. Isso é absolutamente normal e é tarefa do professor lidar com estes percalços. Paciência, criatividade e pulso firme nas horas certas são imprescindíveis para obter sucesso com uma turma infantil.

Não existem fórmulas de treino prontas, principalmente quando se trata de crianças. Mas a estrutura de treino abaixo, somada com a experiência e habilidade do sensei, tem se mostrado muito eficaz para manter a criançada motivada e aprendendo sempre! 🙂

Tendo como base uma turma de crianças de 4 a 10 anos e um treino com duração de 60 a 80 minutos, veja um modelo de estrutura de treino bem legal:

1 – Uma boa conversa antes de começar

Após o Rei inicial, é sempre legal tirar uns 2 ou 3 minutos para conversar sobre como foi o fim de semana, como foram na escola… e ouvir um pouco a conversa deles. Uns falarão muito, outros pouco mas é importante ouvi-los pois isso cria uma aproximação maior. Esse momento também é legal para o professor lembrá-los da disciplina durante o treino, atenção com as instruções e respeito com os colegas.

2 – Alongamento, aquecimento e brincadeiras

child_fun

Assim como para os adultos, o alongamento é importante porque previne lesões. Crianças devem alongar bem o pescoço, pernas e costas.

O aquecimento e as brincadeiras muitas vezes podem ser uma coisa só. Por exemplo, brincadeiras de corrida ou pular já fazem a parte do aquecimento de uma forma divertida.

Se possível é legal escolher brincadeiras que trabalhem não só o conjunto motor mas também o psíquico, para desenvolver a inteligência corporal e o raciocínio. Algumas brincadeiras do tipo:

– Pega-pega O-soto-gari: O pegador corre para pegar os demais. Quem for pego fica congelado. Para descongelar um colega tem que aplicar O-soto-gari.

– Vivo ou morto com quedas: Alunos organizados em filas. Quando o sensei fala morto, todos fazem Ushiro Ukemi (ou outra queda). Vivo permancece de pé.

E mais uma porção de outras como, pega pega cachorrinho, pula cela, pula faixa.. Enfim, é importante também variar nos treinos para não se tornar repetitivo.

3 – Quedas

child_ukemis

Os ukemis devem ser aperfeiçoados todos os dias. Um aluno com quedas refinadas também consegue refinar as outras técnicas mais rápido. Nesta parte do treino, quase sempre faz-se uma ou duas filas e as crianças fazem a sequência de todas os ukemis, desde a cambalhota até o zempo-kaiten-ukemi.

4 – Parte técnica

child_train

Nesta etapa do treino o sensei ensina as técnicas de pé ou solo e orienta os alunos a treinarem através de uchikomis (entradas de golpe), Nague Ais (projeções), Reraku-henka-wazas (golpes combinados), kaeshi wazas (contra golpes) e por aí vai.

Estas seções técnicas também podem ser feitas de forma divertida.. Como exemplo, Nague Ai em filas, com saltos, cronometrados, etc.

Obviamente as técnicas escolhidas devem ser condizentes com a capacidade motora e idade dos alunos. Não se deve esquecer também, que apesar de golpes de pegada de perna não serem permitidos em competições, eles podem ser ensinados sem problemas nas aulas. É também dever do professor reforçar quanto ao uso proibido destas técnicas em competições.

Geralmente após os uchikomis e treinos técnicos, pode-se aproveitar que as técnicas aprendidas estão frescas na mente e puxar lutas em forma de randoris, shiais ou yaku-soku-geikos.

5 – Termine de uma forma divertida

Após as lutas, para esfriar os ânimos e se preparar para o fim do treino, terminar com mais uma rápida brincadeira ajuda as crianças a relaxarem e irem pra casa com um sorriso no rosto. Brincadeiras mais calmas, como as de roda ou de passa a bola podem ser mais indicadas.

6 – Conversa

Antes do Rei final, é uma boa hora pra tirar mais 3 minutos de conversa. Aproveite para passar lições sobre valores como ética, respeito, comportamento escolar, aplicação nos estudos, obediência, etc. Também é uma hora legal pra se comentar sobre história do judô, significados e nomes de golpes.

7 – Esteja preparado para qualquer coisa

Como falei, lidar com crianças pode ser algo cheio de surpresas. Prepare-se para agir como pai muitas vezes durante os treinos. Conter choros e manhas é tarefa praticamente diária. Mas além disso eventualmente você vai precisar estar preparado para assoar narizes, prestar socorros, lavar pés, limpar vômitos.. Sim, isso mesmo! Crianças na sua inocência, as vezes fazem algumas peripécias que rendem várias histórias e muito trabalho para os professores. No fundo, acredito que são essas coisinhas que aproximam mais sensei e alunos… São essas dificuldades do dia a dia que tornam o sensei, aquela figura ao qual eles se espelham nos tatames.

Acredite, quando seus alunos tiverem crescido, você vai ver que no fim valeu muito a pena! 🙂

Comentários

14 thoughts on “Como dar uma boa aula de judô para crianças

    1. Olá Roberta, obrigado pelo comentário. No começo é bem complicado mesmo, mas você pega o jeito logo. Gosto deste modelo de treino porque ele é bem cadenciado entre atividades de intensidade, parte técnica e parte calma.. Daí dentro disso você pode inventar várias coisas. Abuse de sua criatividade. Por exemplo: Na brincadeira de pula faixa, são esticadas duas faixas no chão e eles precisam saltar em distância sem pisar no meio das duas.. até aí é uma brincadeira simples e monótona. Mas se vc disser que no meio das duas faixas tem um rio cheio de jacarés e quem pisar dentro eles comem o pé o negócio já fica muito mais divertido 😀

  1. Muito bom o poste, sou praticante de jiu-jitsu e instrutor em uma turma de crianças. Admiro muito o judô em todos os aspectos, esse seu texto com certeza influenciará bastante na metodologia que venho usando. Muitíssimo obrigado.

  2. Uma dica que pode ser bem vinda que atualmente venho colocando em pratica com meus alunos: Crie musicas que envolvam como realizar os golpes,musicas divertem e ajudam a memorizar os golpes.
    Criei musicas bem simples como o funk do passinho do outchi gari,onde englobei cada passo dele ate o momento da queda. Por aqui tem dado resultado e a garotada sai se divertindo,sabendo a hora certa do brincar e do falar serio.
    Espero ter ajudado.

    1. Obrigado pelo elogio sensei Guilherme. Tem dias que realmente as coisas ficam complicadas… não é fácil. Mas quem disse que seria?
      Força!
      Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *