5 dicas úteis para seu exame de faixa preta

Entre os meses de outubro e novembro, acontecem os exames de graduação de várias federações de judô do Brasil. Muitos judocas, assim como eu, prepararam-se durante muito tempo, arbitraram, participaram de diversos cursos e aguardam ansiosamente por esta data.

A esta altura os documentos já devem estar em ordem e os candidatos a Shodan apenas treinam para fazer bonito no exame. É agora que começa a aparecer aquele friozinho na barriga e um monte de perguntas: “Será que vai ser difícil?”, “Será que eu passo?”, “Meu katá está bom mesmo?”…

Por este motivo separei neste post algumas dicas que considero muito importantes na preparação para o exame.

Aí você se pergunta, como um cara que vai ser avaliado junto comigo, pode me dar dicas a respeito?

Ok, deixe-me explicar. Tive a oportunidade de servir de Ukê para meu sensei em seu exame para Nidan e vi de perto como as coisas funcionam. Ser ukê em um exame assim é a experiência mais próxima de ser avaliado.

Também tenho muitos amigos que foram graduados recentemente e compartilharam suas experiências para ajudar a escrever este tópico.. e pra finalizar, no ano passado não pude fazer meu exame por causa de uma lesão e é bem por aí que abro a primeira dica:

  1. Não se machuque

Parece bobeira mas a partir de agora, na reta final, é bom tomar muito cuidado nos treinos na academia ou em competições. Evite aqueles randoris desgastantes, evite lutar com atletas que não conseguem pegar leve. Se precisar participar de competições no período, procure não buscar a medalha a qualquer custo, seu exame é mais importante e você precisa estar inteiro pra fazê-lo.

  1. Tenha um Ukê (e trate-o muito bem)

O Ukê é a mercadoria mais valiosa da Terra pra quem vai fazer um exame de graduação 😛 . Um bom exame depende bastante de um bom Ukê. Se você já tem um, trate-o bem. Dose os treinos para não desgastá-lo muito e eventualmente pague um bom almoço pra ele. 😉

Se você não tem uma pessoa fixa para a dura tarefa, ainda dá tempo, mas procure alguém que seja comprometido, que consiga manter uma rotina de treinos e que tenha certa experiência.

Se por acaso você realmente não conseguir um Ukê fixo até o dia, pode ser que lá mesmo durante o evento, uma alma caridosa aceite lhe ajudar.

  1. Faça simulações de exame

Reserve um tempo na academia para fazer uma simulação. Converse com seu sensei para chegar mais cedo e peça para uma pessoa lhe sortear umas 10 técnicas de cada classe. 10 do Gokyo, 10 renraku-henka-waza, 10 kaeshi-waza e  umas 15 katame-waza (shime e kansetsu incluso).

No dia do exame:

  1. Alimente-se

Fome e ansiedade são uma combinação terrível. Provavelmente você vai dormir mal a noite ou vai ter que acordar muito cedo para poder chegar até o local do exame no horário. Coma algo leve antes de sair de casa e se for levar lanche dê preferência para frutas ou um lanches naturais. Evite salgados e frituras.

Pelo menos aqui na Federação Paulista, normalmente a ordem de chamada é alfabética, ou seja, dependendo do seu primeiro nome você pode fazer o exame cedo ou tarde. Mesmo assim prepare-se para um dia longo e cansativo, então alimentação é essencial.

  1. Relaxe

Os períodos de espera podem ser realmente longos, portanto não fique pilhado pensando o tempo todo nesta ou naquela técnica. O que você treinou e aprendeu já está na sua cabeça e não há muito o que fazer a esta altura pra repassar ou aprender algo novo. Então, aproveite a espera pra descontrair um pouco conversando, fazendo novas amizades com quem está ali na mesma que você.

Agora é continuar com os treinos e se preparar pra tirar tudo de letra. Lembre-se que quanto mais preparado menor será sua ansiedade. O exame para Shodan não é um bicho de sete cabeças e os senseis avaliadores sabem que a tensão as vezes faz a gente dar uns bugs… Nenhum deles está lá pra prejudicar os candidatos.

Enfim, desejo a todos candidatos a Shodan, sucesso! E que estas dicas também sirvam para quem almeja o mesmo para daqui a um tempo.

Enquanto o grande dia não chega, fiquem a vontade para comentar! Se você leitor já fez seu exame, deixe nos comentários algo a acrescentar 🙂

P.S.: Este texto foi publicado em outubro de 2015 e eu ainda era faixa marrom nesta época. Não reescrevi o texto, está como foi publicado primeira vez!

__

Este artigo lhe foi útil? Se sim, deixe seu e-mail para ser avisado quando sair post novo e siga também no Facebook e Twitter!

Comentários

10 thoughts on “5 dicas úteis para seu exame de faixa preta

  1. Deixe-me contribuir com mais uma dica que muitos, nesse período, não dão muita atenção: Pense no seu objetivo ao chegar a Shodan. Por quê estou aqui passando por tudo isso? Só para ser chamado de faixa preta? Por quê já estou há muito tempo na marrom e o universo resolveu me “transformar”? Chegou o momento de eu mudar o foco do meu estudo sobre o judô e, com isso, dar um passo no início de um novo caminho?
    Ou outras tantas perguntas que servirão para você refletir sobre o início dessa nova fase na sua vida judoística.
    Façam esta reflexão e tenha a certeza, que se encontrar outras perguntas e algumas respostas, terá muito mais tranquilidade para passar por este momento tão importante no crescimento de qualquer judoca.
    Um abraço, boa sorte e sucesso!

    1. Edmar, seja bem vindo e obrigado por comentar. Realmente a reflexão é com certeza a parte mais importante de todo o processo e neste caso merece um tópico inteiro sobre o assunto.

  2. Dica para antes do exame: Respire fundo,os professores que vão te avaliar não estão ali com a intenção de te reprovar mas sim em te ajudar a evoluir como judoca. Confie no seu uke ele fara a parte dele,se tornem um so durante o exame isso facilita. Se ficar relaxado/a sorria ,leve o momento como mais um dia de treinamento na academia.

    Quando fiz meu exame ano passado durante o exame,cheguei a um nível de paz que eu e minha uke começamos a rir,os professores foram e isto tornou o exame mais leve do que poderia imaginar. Fica ai minhas dicas e sucesso aos futuros shodans❤

  3. Olá! Fiz meu exame de sho dan em 2003, na Federação Catarinense e também já preparei faixas marrons para o exame. Embora os critérios variem um pouco entre as federações, há elementos em comum que podem ser observados. Na minha experiência, ressalto estes pontos:

    – o kata é uma coreografia, por assim dizer, que demonstra a essência da arte e a sintonia entre tori e uke. Então, pense não apenas se seu kata está bom, mas o de seu uke também está? Vocês serão um só, no dia do exame.
    – tenha em mente que o exame de faixa preta, com algumas exceções, é uma revisão do que você aprendeu nos exames dos graus inferiores. Então, prá quê medo? Você já sabe!
    – quem vai lhe avaliar não é carrasco nem torce pela sua reprovação, como somos tentados a pensar. O Avaliador já passou por este momento (certamente bem mais de uma vez!) e sabe que o candidato está nervoso, que algumas técnicas não são comuns no dia-a-dia do atleta, entre outros aspectos. Se não tenho o hábito de aplicar tomoe nage, por exemplo, é normal me sentir inseguro ao fazê-lo. E o avaliador sabe disso.
    – tenha em mente que nada termina após o exame. É ali, depois de aprovado, que a caminhada começa de verdade!
    – Boa sorte a todos, ótimo exame e que, em breve, tenhamos só comentários de: passeiiiiiiiii!!

    Oss!

  4. Olá! Fiz meu exame de sho dan em 2003 pela Federação Catarinense e também já treinei faixas marrons para o seu exame. Embora haja pequenas diferenças entre as Federações, há pontos comuns no exame que podem ser citados:
    – o kata é uma coreografia, por assim dizer, que mostra a essência da arte e a sintonia entre tori e uke. Portanto, além de se perguntar se seu kata está bom, pergunte se o do uke também está. No dia do exame, vocês dois serão um só.
    – o exame de sho dan é, com as devidas exceções, uma revisão do que você aprendeu nos graus inferiores. Então, prá quê medo? Você sabe!

    – O avaliador não é carrasco, nem quer nos ver reprovar, como somos tentados a pensar. Ele já passou por essa experiência (certamente bem mais de uma vez!) e sabe que o candidato está nervoso, que algumas técnicas não são hábito do atleta, portanto há um grau maior de dificuldade, entre outros aspectos. Se não tenho costume de aplicar tomoe nage, por exemplo, terei mais insegurança ao demonstrar. O avaliador sabe disso!

    – tenha em mente que nada termina após o exame, ao contrário, é ali que a caminhada começa de verdade!

    Boa sorte a todos em seus exames e espero em breve ver muitos comentários de: passeeeeiiiiiii!!

    OSS!

Deixe uma resposta para Marcelo Ferreira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *