Pais, por favor, não tenham medo de corrigir seus filhos!

Temos um aluno iniciante com alguns problemas disciplinares em nossa academia. Ele tem 9 anos, e na verdade está longe de ser uma criança com problemas realmente sérios, mas é ansioso, carente de atenção, desleixado e as vezes grosseiro com os amigos.
O resultado disso é que frequentemente precisamos dar duras broncas e as vezes até tirá-lo do treino para que reflita no que fez. Já teve até umas duas ocasiões em que ele mesmo, chorando de raiva, chegou a dizer que não queria mais fazer judô, porque era chato e ele só tomava broncas. Claramente chantagem emocional.

Tanto eu quanto o outro sensei que trabalha comigo, nos mantivemos firmes e, nessas situações, a orientação foi a seguinte:

– A disciplina do judô é essa e ela não se adapta à você. Você que se adapta a ela. Seu pai paga caro pelo seu judô e traz você de longe pra treinar, então, ficar vindo fazer uma coisa que você não gosta é um desrespeito a ele. Você tem 10 minutos pra pensar na sua decisão, e então ligaremos pro seu pai te buscar.

Em 3 minutos ele já estava de volta, arrependido.

Semana passada aconteceu uma coisa interessante. A mãe dele nos enviou uma cartinha em agradecimento e afirmou que o judô tem surtido resultados surpreendentes na melhoria de seu comportamento em casa e, mais do que isso, tem percebido nas conversas dele, o quanto ele gosta dos senseis que tem!

Depois de tantas broncas, de ser chamado atenção toda hora, o menino ainda gosta muito de judô e de seus professores. É sempre o primeiro a chegar e está cada vez mais prestativo nos treinos e com as tarefas no dojô.

É desse ponto que transfiro o tema da conversa de “judô” para “educação infantil” e peço encarecidamente:

Pais, por favor, não tenham medo de corrigir seus filhos. Eles não vão deixar de amá-los por isso!

Se seu filho não segue as disciplinas da casa, se falta com respeito com você ou com os coleguinhas, ele precisa ser punido, e isso muitas vezes vai um pouco além de dizer “não faça isso porque é feio”, “se fizer de novo não vai ganhar um Megazord no Natal”…
Obviamente não acredito que a punição física seja recomendável, pois hoje existe muita informação fácil sobre como tratar os filhos, até mesmo na internet um pai pode se instruir sobre estratégias psicológicas de como lidar com crianças… Mas eu mesmo apanhei até grandinho de minha mãe e meu pai, e nem por isso deixei de amá-los e de aprender as lições que me passavam. Era o jeito deles de, na limitação cultural que tinham, passar os valores que queriam que eu aprendesse quando me comportava mal.

Pulso firme é essencial para que nossas crianças aprendam a lidar com as frustrações de que nem tudo pode ser como elas querem. É isso que vai prepará-los para os “nãos” da vida.

__

O Judoca agradece sua visita e espera que tenha gostado. Deixe seu comentário e siga também no Facebook e Twitter! 😉

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *